segunda-feira, 15 de abril de 2013

Da semana




Sempre tive um desânimo considerável nas vinte e quatro horas que começam a partir do meio dia do domingo e terminam ao meio dia da segunda. Embora o domingo seja um dia de praticamente fazer nada e descansar, essa pitada de silêncio, calmaria, programação chata da tevê e macarrão no almoço acabam deixando tudo muito...  Estranho. Mas esse dia acaba por permitir uma reflexão válida.
Quando eu era mais novo, ia bastante à feira que havia perto de casa aos domingos. Comia mais pastel do que aquele pedacinho de gente que eu era aguentava. Ia embora rolando para casa. Hoje, abandonei essa rotina, afinal um pastel parece ter a caloria de vinte e a magia de ser criança, que inclui se entupir de coisinhas assim e nem engordar, acabou há um tempo.
Antes, quando criança, eu não conseguia acordar muito tarde aos domingos. O dia acabava sendo longo. Eu tinha pouquíssimo contato com o computador (que nem internet tinha), mas não tenho lembranças de ficar entediado. Sempre havia o que fazer. Talvez as crianças saibam aproveitar melhor o seu tempo!
Lembro-me quando o aparelho para assistir a DVDs se popularizou e meus pais compraram um. O domingo à tarde era recheado de filmes que locávamos criteriosamente numa locadora ali do bairro. Depois do almoço, a gente se enchia com pipoca, sobremesas e filmes de uma lista gigantesca que criávamos durante a semana toda. Mas com o tempo – e com as tevês a cabo cada vez mais populares – deixamos de usar nosso DVD. E a sessão cinema dos domingos a tarde foi morrendo. Nem sempre havia um bom filme nos canais fechados e o preço das locações subiu absurdamente...
Segundas-feiras também não são as melhores receptoras. Até o horário do almoço, as engrenagens do corpo parecem estar se movimentando devagar para se adaptarem ao ritmo da semana ativa, outra vez. No trabalho, parece que um leve branco visitou a mente e depois, aos poucos, volta ao normal. Estudos? Parece que uma amnésia horrível tomou conta de você e explodiu todo o seu conhecimento em estilhaços que precisam ser recolados. Mas logo passa. É só uma preguinha que as segundas adoram – e insistem em – fazer.
Mas nem tudo é feito de contras. Domingos são dias maravilhosos que possibilitam um café-da-manhã em família, o que os outros dias da semana não fazem. Servem também para estarmos mais conectados a nossa casa, a nossa vida pessoal e às pessoas de nossa casa. No fundo, há certa tranquilidade positiva oriunda dessa falta do que fazer, desse clima de quietude. No fundo, nossa mente gosta. E mais, ela é premiada.
A razão pela qual escrevo essas linhas tem ônus no que diz respeito, simplesmente, a sentir a diferença que esses dias proporcionam. Isso porque uma segunda é feita de recomeços, uma terça, de impulsão, uma quarta, de equilíbrio, uma quinta, de esperança, uma sexta, de alívio, um sábado, de sorrisos e, por fim, um domingo, de descanso. Parando para pensar, então, temos sete dias validamente divididos. Eu tenho, você tem. Mas nem todos têm. 
Àquelas pessoas que vivem no chão das ruas, perambulando pela cidade com seus cobertores velhos, pedindo comida, o tempo não tem muito significado. Não há recomeços, não há sorrisos, não há impulsão e muito menos equilíbrio! Não há metas, e nem há muito na cabeça para ser esquecido na segunda. E quando é a segunda mesmo? Difícil saber, pois sobrevivem sem calendários. Pastel seria riqueza. Filmes e DVD? Puro luxo. 
Talvez, então, o problema não seja com os dias. Mas sim a forma como fazemos acontecer. Além do mais, já é muito bom que eles e mais os outros cinco existam e que o meu mundo não seja atemporal.
Interessante. Até dos dias da semana saem lições para a vida. 


Luís Fellipe Alves

13 comentários:

  1. É, amigo, infelizmente o mundo é muito injusto. Nos nossos individualismos esquecemos dos outros, de um dever de casa que fazemos pouco. ):
    Quando os domingos vão anoitecendo, fico meio nostálgica. Por que o fim de semana passa sempre tão rapidamente? Na segunda, acordo cedo e vou correr para espantar a preguiça e jogar fora as calorias do domingão. Abraços e boa semana!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Temos reclamado de barriga cheia! Mas o importante é que vamos, aos poucos, aprendendo a valorizar o que temos.

      Adoraria correr na segunda de manhãzinha. Mas tenho medo de caminhar pelo bairro muito cedo... Acabaria espantando a preguiça de outra forma! rsrs

      Bom final de semana, amiga.
      Abração!

      Excluir

  2. Eu amo os domingos, único dia da semana que é garantido poder ficar o dia td com meu marido, já que sábado ele trabalha meio período. Desde qd namorávamos lá dos idos de muitos anos a trás, domingo era o dia de dia inteiro juntos.
    Eu desconheço a programação da tv aberta, pois um luxo que adoro é a tv paga, filmes, documentários, programas, tudo escolhido a dedo e com muitas opções. Mas aqui ainda tem DVD e dvd´s nas gavetas e nas locadoras. Vai ver DVD menino e larga de ver o que passa de ruim da TV. Tb vale ler um livrinho, escrever, escutar música, ir caminhar, sei lá. Eu aproveito o domingo todinho como uma criança. Pela manhã andamos de bicicleta (eu e meu marido e nosso filho só quer saber de jogar, ele é uma criança que não aproveita a vida, tá vendo ai que ser criança hj não tá muito bom...risos), geralmente almoçamos fora para dar um dia de folga a meu lado cozinheira de todo dia. Dia de visitar amigos, ir ao cinema, tomar sorvete.
    Quanto a segunda dá um preguicinha, o motor custa a pegar, mas temos que agradecer ter casa, trabalho e uma semana que vai proporcionar um bom domingo e nossos luxos de cada dia, não o da tv paga, mas os menores que são enormes como a cama limpa, um colchão, um teto, comida, um abraço.
    Vi um matéria por coincidência esses dias em que segunda seria o dia mais esperado dos Paulistas, que adoram trabalhar e o fds deprimi...só rindo viu.
    Isso porque da segunda ser feita de recomeços, terça de impulsão, quarta de equilíbrio, quinta de esperança, sexta de alívio, sábado de sorrisos e domingo de descanso, foi muito legal, poeticamente, apesar dos rótulos.
    E já que temos muitos significados a dar para nosso tempo, e que somos nós que damos significados a eles, seja segunda ou domingo, tenhamos o equilíbrio, a sabedoria, o reconhecimento de fazer bom uso de cada dia.
    Martha Medeiros disse e eu vou pegar emprestado para te dizer: "Você é os direitos que tem, os deveres que se obriga, você é a estrada por onde corre atrás, serpenteia, atalha, busca, você é o que você pleiteia. Você não é só o que come e o que veste. Você é o que você requer."

    Um quarta de recomeços, impulsão, equilíbrio, esperança, alívio, sorrisos e descanso para vc, tudo junto e misturado :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tina, você sempre radiante, com certeza sabe aproveitar bem os domingos. Eu até consigo fazer algumas coisas, mas tenho uma preguicinha que atrapalha! rs Domingo agora é dia de estudar. Durmo um pouco além do tempo normal, acordo no almoço e depois passo a tarde com a geometria, ou com a termodinâmica, ou também estudando Gregório de Matos, Luis de Camões, ou a divisão celular. rsrs

      E para que fique registrado aqui também, feeeeliz aniversário!

      Obrigado pelos sempre excelentes comentários.

      Gostei bastante do empréstimo! Aprendo muito com tudo isso.

      Um final de semana com tudo junto e misturado, para você que apaga uma velinha a mais esse ano e junto acende mais uma luz no seu conhecimento. Mais um ano de sabedoria.

      Um abração de um grande fã!

      Excluir
  3. Obrigada pela passadinha por lá.
    Andei passeando pelas suas crônicas e penso que vai ser um prazer vir espreitar o seu cotidiano seus movimentos e devaneios,
    Quanto aos domingos são feitos de doces ilusões que se desfaz logo amanhece a segunda-feira e tudo recomeça...assim é e sempre será!
    abraços abraços volto pra te ver de novo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Lis, eu é que agradeço por vir aqui e convido-a a voltar!
      Com mais tempo você vai descobrindo melhor esse mundo aqui.

      Domingo é, realmente, o finzinho da magia! rsrs

      Abraço, estarei esperando!

      E quanto aos excessos, são benéficos, não precisa se desculpar. São esses transbordamentos que guardam muito! E na verdade até desuso a palavra "excesso", porque nada se excede... Não falemos em limites! Somos nós quem os fazemos.

      Excluir
  4. Ah e desculpe pelos excessos... quando faço mais ligth não me encontro : /

    ResponderExcluir
  5. Luís Fellipe,

    Você extrai lições de tudo, adoro isso! Mostra uma mente aberta para aprender, mas sem a necessidade de dar saltos: você parte do degrau onde está, transformando o negativo em positivo! Realmente gosto muito disso e me deixo contagiar por essa disposição de viver e ser feliz SEMPRE!

    Agora quero falar dos meus domingos: são meus dias preferidos na semana! São, sim, o dia do descanso aqui em casa, o que não quer dizer não fazer nada. Na verdade, descansamos das ocupações da semana, do trabalho intenso e até mesmo do lazer e do consumismo. Ao invés disso, nos voltamos para a família, acordando bem cedo para irmos todos juntos à igreja. É um dia especial, pois o trabalho e as atividades não nos roubam uns dos outros, por isso AMO o domingo!

    Muito criativo você ao falar sobre esse assunto e nos ajudar a, ao invés de lamentar o fim da folga e o recomeço do agito costumeiro, agradecermos por termos dias, horários e oportunidades, pois tudo isso se chama vida bem vivida! Um abraço e BOM DOMINGO! rsrsrs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Suzy, muito obrigado! Tenha certeza que aprendo e apreendo muito das veteranas nisso, grupo no qual está incluída!
      É sempre bom enxergar os dois lados da moeda. De uns tempos pra cá vinha enxergando o domingo muito mal e aproveitando muito mal também. Mas foi no dia em que precisei ir ao banco, num domingo, e vi a vida atemporal de algumas pessoas na rua, foi que despertei. Meus domingos a tarde nunca mais foram os mesmos!

      Muito obrigado pela vinda. Boa semana e bom próximo domingo!
      Abraços!

      Excluir
  6. Que lindo Luís, passeou seu olhar, onde os olhos ainda eram de criança. Enxergou a importância de se fazer presente na família. Dividiu os dias e todos com sua importância. E o olhar mais bonito, pra aqueles que talvez já nem lembrem mais de um domingo de sorrisos e descanço. E é verdade, "não são os dias, mais o que fazemos com eles. Beijo!! Adorei passar por aqui.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Milene, seja bem-vinda ao blog!
      Fico muito feliz que tenha gostado. É desses pequenos detalhes que extraímos verdadeiras lições. Temos muito pouco do que reclamar, não é mesmo?
      E sim, precisamos saber aproveitá-los ao máximo. Procurar o néctar do dia!

      Obrigado por passar por aqui, espero que venha mais vezes.

      Beijo!

      Excluir
  7. Já tem algum tempo que eu transformei o meu domingo em dia de labuta mesmo - lavo, passo, limpo janelas e deixo para fazer um domingo em algum dia que tenha feira depois do hífen. Vivo bem assim. Gosto da liberdade além dos dias, mas reconheço que nem sempre é possível - meus filhos ainda sofrem com o entardecer do domingo e prenúncio de mais um dia na escola!
    Beijo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bom, quando se pode alterar a rotina, é até mais legal descansar em outro dia da semana! Interessante, às vezes precisamos alterar a ordem "natural" que a semana segue. Nesse caso pareceria mais agradável. Trocaria por uma sexta!

      Beijo!

      Excluir


Obrigado!




Ir para o Topo