terça-feira, 19 de novembro de 2013

Se fofoca fosse boa, chamaria Chocolate





Fonte

Tem gente que vive de pegar migalhas de assuntos alheios. Coloca todas agrupadas com outras totalmente diferentes, monta e desmonta, constrói e aumenta. E não vende, mas dá o pão gratuitamente pra outras pessoas, que estão famintas na porta de suas casas, na escola, no banco da igreja, no escritório esperando o inusitado reciclado de migalhas.
A primeira ilustração que um indivíduo tem sobre a fofoca é no jogo do telefone-sem-fio. Mas a tia do primário não comenta exatamente que o jogo funciona como uma fofoca. Porque a criançada se diverte em espalhar o que foi dito no ouvido, como quebrar esse clima de diversão? Nem deve. É ingenuidade. Mas desde pequenos, já praticam fofoca sem ver.  
Na minha época de miúdo, era comum ver os coleguinhas de sala comentando coisas no ouvido um dos outros. O mais engraçado é que eles não tinham o mínimo de técnica, nem o que contava, nem o que recebia a informação. Ambos olhavam descaradamente pro alvo, terminavam a fofoca com uma risada e aí começava todo um rebuliço.
- Tia, o Fulanito tá falando de mim pro Ciclanito!
Seguia um bico. A professora tentava contornar a situação (ser educador não é fácil, não mesmo) para que nenhum problema se maximizasse, tirasse o foco da turma e acabasse fora da sala. No fim, todo mundo estava de bem, quebrando o “tô de mal, come sal, deixa um pouco pro natal”.
Quem nunca foi alvo duma maldita fofoca? Eu já fui. E foi uma experiência desagradável, não vale a pena ser reproduzida. E talvez por isso eu odeie tanto esse tipo de coisa. A autenticidade é duvidosíssima e, além do mais, que interessa a mim a história fofocada? Se fosse para ser ouvida pelo mundo, não estaria sendo cochichada pelos cantos, né não?
Uma série, baseada em alguns livros, trata desse tema lá em Nova York. A privacidade de alguns jovens é totalmente quebrada quando uma pessoa misteriosa começa a comentar a vida deles em um blog. Maioria das personagens é rica, com vidas pouco trabalhosas, subordinadas ao jogo que promove a misteriosa Garota do Blog. Ora são beneficiados pelas fofocas, ora são parte dela. Algo semelhante aconteceu na minha época de ensino médio. Um site de perguntas e respostas estava se popularizando. E um perfil misterioso começou a postar nesse site segredos (verdadeiros ou não) dos alunos da escola em que estudei. Felizmente não fui vítima. Mas vi colegas na mira de declarações infames e terríveis. Faltou pouco para virar caso de polícia.
O dia nasce tão lindo, o mundo tá cheio de cachoeiras e paisagens, algodão doce, sorriso de criança, grama verdinha, sabiás nos fios e galhos, casa de todas as cores, comida de vários sabores, técnicas de arte, filmes e teatros, insetos pequenos e grandes, notícias e curiosidades, novidades tecnológicas e culinárias (e mais um milhão de coisas que podem ser exploradas pelos nossos olhos e outros sentidos) e ainda há quem se dedique a, carinhosamente, cuidar da vida do próximo palpitando e xeretando. Que ofício mais digno, não?
(Licença para usar clicheísmo) Se fofoca fosse boa, não se espalhava feito gripe. Quer cuidar da vida alheia? Compre Adote um gato. Ele tem sete. E se não achar suficiente e quiser uma aventura radical, cuide da vida dos heterônimos de Fernando Pessoa com a mesma maestria que ele teve ao zelar por todas elas.
Vamos ver quem dá conta.  

Luís Fellipe Alves

38 comentários:

  1. Putz, os e as fofoqueiras de plantão estão sempre escondiidinhos com as maioes caras de santos. Fingem nada ver, nada ouvir e abastecem seus ouvidos pra depois esvaziar as bocas fumegantes! Lindo te ler! abraços,chica

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Exatamente, essa é a característica deles!

      Obrigado pela visita de sempre, abraços

      Excluir
  2. Bela crônica, Fellipe, e não é por nada que a 'Justiça' trata muito bem disso com a aplicação de suas leis, pois os danos são enormes. Porém, fofoquinhas menores, desde que nascemos já devem acontecer. Mas o mundo é assim, povoado de tudo que é tipo de gente e temos que aprender a conviver - ou não.
    beijos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Se a gente se conformar, minha amiga, acabamos sendo dominados! Acho que fofocas podem machucar muito dependendo do grau, do teor. Esse povo tá precisando de um chá de ocupação! rsrsrs
      Beijo, brigadão pela visita!

      Excluir
    2. Oi, Fellipe, acho que você não me entendeu por inteiro, mas a culpa foi minha: quando citei a 'Justiça', é porque na fofoca entra a maldade, a mentira, a injúria, difamação, a 'destorção' do dito e dos fatos dá um enorme prazer ao fofoqueiro. E isso é grave.
      Quanto às fofoquinhas primárias, essas existirão sempre, faz parte do ser humano e seu caráter destorcido. E quando falo em conviver ou não, não é estar conformado, é simplesmente porque o fofoqueiro (a) não tem arrumação. Então é o 'não conviver'.
      Pela pressa não escrevi direito, desculpe, amigo.
      beijos!

      Excluir
    3. Ah, certo, agora entendi, Tais! rsrs
      Sem problemas, amiga, acontece com todo mundo (e no meu caso, releio meu próprio comentário e continuo passando pelo erro sem ver, às vezes!)

      Beijo!

      Excluir
  3. Oi Luís, eu nem ligo mais para fofocas, pois de tantos anos já vividos, viraram até elogios.kkk. De vez em quando lembram da gente nem que for numa fofoca. Eu tenho um mal, na minha família só eu sou assim: eu sou equilibrada e não tenho pressa e vou dando corda até a pessoa perceber o desconfiômetro.
    Beijos
    Lua Singular

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Dorli, algumas pessoas têm a mania de cuidar mais da vida alheia do que da própria. Quando veem, estão babando pela nossa vida porque é muito mais interessante do que a dela!

      Beijo!

      Excluir
  4. Aplausos!

    Nem gosto muito de chocolate e odeio fofocas. ODEIO!
    Disse me disse, fuxico...afff
    E ser mulher e não gostar de fofoca, que me desculpem as meninas, é mais difícil, pois a classe gosta...rsrs
    Tentar ficar abaixo do radar é uma boa técnica nos muitos terrenos férteis de marias faladeiras e joões bobões.

    Mas a vida ensina e somos responsáveis pelo que dizemos e fazemos e não pelo que os outros entendem ou reproduzem. É ter paciência, ser transparente e qd necessário colocar pimenta na língua de quem fala demais. Morder o colarinho camisa para que apessoa morda a língua (crendice de infância que ainda faço....risos).

    PS: Nunca vi o telefone sem fio, como educadora e como criança como uma mecanismo de fofoca ou passar a frente o que não se ouve. Tão boba eu!
    Sempre vi como um treino para ruídos na comunicação, tentava ouvir para passar certo, tentava entender e decifrar o certo do que chegava no final errado. A louca brincando o que ninguém brincava provavelmente....rararara

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. hahahaha adorei o comentário! Mas a brincadeira tem mesmo essa finalidade de ajudar e aprimorar a comunicação, eu é que dei uma brincada com a brincadeira - me entendeu?

      Não gosta tanto de chocolate? Fica a vontade pra fazer uma alteraçãozinha no título que lê, chocolate é coisa boa pra maioria, mas ali cabe qualquer coisa, inclusive acho que você deveria comentar uma coisa de comer que ama muito (se for comida típica daí, mais lindo ainda).

      Excluir
    2. Sim entendi e achei fantástica a sua brincadeira
      E acho que uns brincavam como a brincadeira propõe e outros como ela dispropõe
      rsrsrs

      Comunica com o público como se diz o seu título, eu é que sou do tipo minoria que em festas de criança prefere os doces aos salgados e entre uma torta de chocolate e uma de maçã com nozes vai na de maçã com nozes :)

      Se fofoca fosse boa se chamava acarajé me representa total \o/
      mas pode ser se chamava suco de maracujá geladinho e doce
      Que tal pra rimar com fofoca pipoca ou tapioca (adoro as duas)

      Vixe, deu foi fome, indo atacar um queijo com goiabada!

      Excluir
    3. hahahaha adorei as ideias! Eu sou um chocólatra mesmo, mas acho que tenho muito pra experimentar ainda, preciso viajar pra comer uma tapioca boa, não me contento só com a comida, quero o cenário! rsrs

      Esse tanto de trem de comer deu fome mesmo! (à moda mineira pra homenagear o queijo)

      Excluir
    4. Ta on-line isso aqui hj, quase um msn...rararara

      Troquei os doce com os salgados, imagino vc tenha notado
      Sou da minoria dos salgados
      * Foi a fome!

      Excluir
    5. Tá mesmo, diálogo [quase] instantâneo rsrs

      Vou ter que ir a caça se não quiser ficar com mais fome!

      Excluir
  5. oi Luis

    A fofoca pode acabar com uma vida, bastou um comentário maldoso para colocar tudo a perder.
    Engraçado como tem pessoas que são mestras nisto, são comentários maldosos, mentiras e vão espalhando.
    Eu adoto para mim (fale bem ou mal mais falem de mim) rs...

    tenha uma ótima tarde =)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bell, com certeza. Já vi bastante caso assim. É uma tristeza. Mas não vamos ver esse costume se dispersar. Seria bom se todos conseguissem seguir sem se importar. Você está certa!

      Ótima tarde, obrigado pela visita!

      Excluir
  6. [pior do que os que fazem fofoca,
    só os que param para ouvi-las]


    beij0

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Né não? Terrível!

      Brigadão pela visita, beijo!

      Excluir
  7. Fê! Mais uma excelente crônica! Tenho uma escrita sobre a fofoca que ainda postarei um dia.

    O pior, é que a fofoca tem muitos disfarces: às vezes ela figura como um ‘comentário inocente’, apenas. Noutras, o fofoqueiro passa adiante informações pessoais de terceiros que lhe foram confiada por pura vaidade, a mensagem que está por de trás é: “olha como fulano confia em mim”... Mas, fofoca é fofoca, né, sem eufemismos.

    Já notei que xeretar a vida alheia para depois fofocar é um vício que precisa ser tratado. Deveriam fundar o AFA (Associação dos Fofoqueiros Anônimos) rsrs. E nesses tempos modernos de internet, então, a fofoca chega longe, correndo ‘via cabo’ rsrs.

    Bjão procê! Linda semana.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Posta sim, posta sim!

      Bem lembrado, fofocas tem disfarces inúmeros. E super concordo com a criação do AFA, quem sabe os fofoqueiros passariam menos tempo cuidando da vida alheia pra cuidar da própria!

      Nem me fala. Hoje a coisa corre solta mesmo, a gente precisa ter sempre cuidado.

      Beijão e boa semana!

      Excluir
  8. Oi Luis,
    Como não respondeu meu comentário, vou fechar a boca, pois o Mundo dos Inocentes são de crianças que lhe agradecem seu comentário.
    Beijo de todas as crianças.
    Mundo dos Inocentes

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Perdão, Dorli, não entendi exatamente o que quis dizer. Mas se for quanto a não ter respondido seu comentário prontamente, peço desculpas. Eu voltei a responder comentários recentemente, ainda não respondo todos prontamente, mas faria logo menos.

      Grande abraço!

      Excluir
  9. Oi Luís,gostei do texto e mais ainda do titulo,rsrs verdade se fofoca fosse boa,chamaria chocolate!
    Fofoca é falta do que fazer,o melhor remédio é não darmos ouvido a ela!

    Um Grande Abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Kaka, para nós, amantes dessa belezura de cacau, o título cai muito bem. Mas deixo de sugestão que cada um leia trocando o chocolate pela comida que mais gosta, ou uma delas rsrs

      Abraço, brigadão pela visita!

      Excluir
  10. Felipe, adorei seu texto. Palmas!!!
    Só não concordo com as pessoas chamarem a professora de "tia". Ela mesma ensina que tia é a irmão do pai e/ou da mãe.
    Parabéns!!!
    Beijos!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, Janice!

      Sou do tempo que a "tia" liberava. Mas ela foi a única. Na terceira série, a professora frisou no primeiro dia de aula que o termo 'professora' existia pra ser usado. Curta e grossa, mas naquela época tínhamos um respeito impecável. Hoje professor apanha em sala. Lamentável.

      Obrigado pela visita! Beijo!

      Excluir
  11. Luís Fellipe, que assunto!!!! Estamos sintonizados, pois esse tema fez parte até de minha aula na igreja no domingo... Afinal há tanta gente, em tantos lugares, que se acha certinha, correta, goza de boa reputação, está semprr servindo o próximo com as mãos, mas destruindo outro próximo com a língua!
    De tudo isso, considero ainda pior o fofoqueiro que é dissimulado! Sabe aquele que fala contigo com um enorme sorriso, arranca de ti os teus segredos para depois repassá-los com acréscimos ponderados, causando intriga entre uns e outros? Quando o clima esquenta, usa o famoso jogo psicológico do 'vocês que se entendam, eu não tenho nada a ver com isso!' e cai fora, rindo em secreto certamente.
    Tenho verdadeiro horror a gente fofoqueira e dissimulada, mas a vida tem me comprovado que fofoqueiro algum dia morde a própria língua e então se descobre sozinho, pois não há quem queira ficar perto; e dissimulado, quem espalha mentiras em secreto, acaba desmascarado publicamente, pois a justiça divina se encarrega de promover o acerto de contas. Portanto, não temo os fofoqueiros, tenho é pena de gente com uma vida tão vazia a ponto de necessitar meter o bedelho na vida dos outros. Todos os aplausos para tua conclusão no texto, foi PERFEITA!!!
    Um abraço, querido amigo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Suzy, sempre completando muito bem com seus comentários! Exatamente isso. Infelizmente, conheço sim esse tipo de pessoa. Argh! Atuam até na mexidinha de sobrancelha, pra tudo sair perfeito e não escapar qualquer expressão que revele tamanha dissimulação. Justiça divina é um caminho confortável, porque quando o problema parece maior que nós, temos com o que contar. Sempre temos!

      Fico muito feliz com sua visita, brigadão!

      Abraço.

      Excluir
    2. Voltei, porque escrevi ontem com pressa e no celular, cometendo alguns errinhos gramaticais, engolindo letras... rsrsrs e, o que realmente me fez retornar, do jeito que escrevi pareceu que apenas tua conclusão foi perfeita: muito pelo contrário, o texto inteiro está MARAVILHOSO!!! Mas amei sobremaneira a ideia de adotar um gato e cuidar das sete vidas dele ou, melhor ainda, dos heterônimos de Fernando Pessoa. O que falta a um fofoqueiro é isso: ocupação! Você achou excelentes ocupações para eles, EU AMEI!!!
      Agora sim me despeço, ainda te aplaudindo, e com o carinho de sempre.

      Excluir
  12. Quem cochicha o rabo espicha, quem escuta o rabo encolhe. Será que esta é do seu tempo quando víamos alguém ao pé do ouvido do outro fazendo fofoca?

    Deixando de lado as recordações, o que a Bell colocou, que a fofoca pode acabar com uma vida é terrivelmente literal. Muitos casos de suícidio estão envolvidos com a tal fofoca, agora virtual.

    Se não tem nada de bom para falar, silenciar é a melhor atitude.
    Beijo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Opa, do meu tempo sim!
      Pois é, Ana, principalmente com o advento da internet, a coisa pegou. Porque o anonimato é um milhão de vezes mais fácil. O conceito de privacidade é outro!
      Obrigado pela visita, (tô devendo assistir o vídeo recomendado, quero sair desse turbilhão de matérias e me dedicar a não só assistir como escrever sobre!)

      Beijo!

      Excluir
    2. Conheço assim Ana:
      Quem cochicha o rabo espicha
      Quem se importa o rabo entorta
      :)

      Ditado mto bem lembrado e o fortalecimento das crianças, adolescentes e adultos como na história do Carpinejar que vc me mandou o link é uma boa saída, segue o link para vc Luís e para os passantes:
      http://carpinejar.blogspot.com.br/2013/11/a-orelha-do-eduardo.html

      Excluir
    3. Tina, que lindo o texto, né? Li, comentei e lembrei da época da escola.

      Excluir
  13. Oi Luís Fellipe,
    obrigado!
    Na verdade, venho acompanhado teu blog há algumas semanas.
    O meu está sendo preparado para algumas reformas. Para sacudir um pouco a poeira, sabe?
    Ensaiando alguns voos...
    Tenha uma boa noite.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Gabriel, reformas são sempre necessárias, assim como é costumeiro que façamos com nossa própria vida. Estarei lá pra conferir o resultado. É bom voar.

      Abraço!

      Excluir
  14. como anda circulando por ai um viral no facetruque: "prefiro tomar cerveja que tomar conta da vida dos outros!" hahahaha, mas quem nunca ouviu uma fofoca e saboreou? quem nunca foi alvo dela, como vc mesmo diz? hauahauhau quem nunca??

    ResponderExcluir
  15. Muito boa tua crônica, explorando um assunto tão conhecido e que todo mundo condena, acha feio, mas que praticamente todo mundo faz. Ironia ou não, os que mais reclamam de serem alvos de fofoca também são os que mais a praticam. Agora com a internet então, os olheiros de plantão descobriram nela mais um recurso para ficar por dentro da vida alheia... realmente uma pena as pessoas se preocuparem tanto com as outras de uma maneira tão negativa.

    ResponderExcluir
  16. "(...) E se não achar suficiente e quiser uma aventura radical, cuide da vida dos heterônimos de Fernando Pessoa com a mesma maestria que ele teve ao zelar por todas elas."

    Hahahaha... Amei!!!

    Parabéns pela excelente escrita... É sempre muito bom passar por aqui!

    Abraço!

    ResponderExcluir


Obrigado!




Ir para o Topo